Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

09
Jul12

Em nome do pai

Bruno Vieira Amaral

Ribamar, vencedor do prémio Jabuti 2011, não é um romance sobre a relação de um filho com o pai, mas sobre a Relação-com-o-Pai. Logo no início, o narrador lança a âncora literária: Franz Kafka e a sua Carta ao Pai. Esta âncora oferece segurança mas não deixa que o romance navegue. Torna-o claustrofóbico: “Sufocado entre estes três vultos, [Kafka, o pai de Kafka e o seu próprio pai] luto para existir.” Luta inglória.

 

A ligação do narrador com o pai é lida num vaivém estático de referências que remetem para a obra de Kafka numa ligação literariamente contaminada e literariamente paralisada. Mais do que descrita, a relação com o pai é interpretada. É, desde a primeira linha, simbólica, uma terapia. A angústia reiterada pelo narrador nunca parece real, porque o narrador está num modo terapêutico, psicanalítico, freudiano, a lidar com duas sombras que o enfraquecem: a do pai e a do pai literário. Tudo é simbólico, daí que ele se veja frequentemente como um animal (ave, insecto, cão) e procure sinais, coincidências, como se a vida fosse um livro, um texto para ser descodificado. As dúvidas sobre o propósito da escrita e da utilidade daquilo que se escreve são questões que qualquer escritor deve resolver à partida mas que constituem uma parte significativa deste romance: “Escrevo para preservar esse segredo”; “Não, pai, não escrevo para me desforrar”; “Escrevo para chegar mais perto de você”; “Por que escrevo?”, “Para que escrever um livro?”. Num momento de auto-reflexão, Castello escreve: “As notas que tomo para o livro que escreverei formam uma prosa difusa, que não é nem reflexão, nem confissão, nem ficção, e é tudo isso um pouco.” Porém, o livro não é suficientemente forte para ser isto tudo e acaba por não ser nada. É apenas uma prosa indecisa, virada para dentro de si mesma, como o livro de instruções de uma máquina que não existe. Ainda que narrado a partir do interior do protagonista, Ribamar procura sempre apoios exteriores – “estou sempre preso a redes literárias”, confessa o narrador. Kafka significa gralha e ele sonha com pássaros. O médico a que o pai o levou quando ele era criança chamava-se Zwang, que mais tarde ele descobre ser um termo usado por Freud para se referir à compulsão. Ao vomitar pensa que talvez isso represente o início do livro, uma espécie de parto literário.

 

 

José Castello não sabe para onde o livro vai e esse desconhecimento é o sumo do livro. O próprio romance está em terapia. A relação com o pai nunca é muito nítida, nunca chegamos perto dela, está sempre à distância de um livro, de uma citação, de um sinal. Como tudo pode ter a mesma importância, nada é realmente importante: “Tudo o que me acontece entra no livro. Pensamentos, sonhos, eventos de minha vida pessoal, mal-estares, coisas que ouço ou que leio.” Falta-lhe o critério, a hierarquização dos factos, dos pensamentos e dos sentimentos que faz com que a literatura não seja apenas o balde onde tudo isso se despeja. O verdadeiro trauma não é o pai, mas o escrever sobre o pai, a dificuldade e a utilidade da escrita. Neste pântano lôbrego, à sombra castradora de Kafka, que impede que o sol rompa e brilhe sobre a prosa, só podia nascer uma flor difícil, um símbolo débil que celebra apenas a sua dificuldade, a sua debilidade.

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D