Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

11
Mar09

À la campagne

Bruno Vieira Amaral

Vivemos tempos de campanhas. Longe vai a gloriosa época das cabalas. A cabala foi um fruto mediático característico dos anos 90. Todos os dias alguém se dizia atingido por uma, como se já não fosse possível andar na rua sem o risco de nos cair uma cabala na pinha. E nós imaginávamos rituais iniciáticos, cânticos satânicos, beijos negros. Houve até um dirigente desportivo que fundou um sincretismo judaico-animista e falava com toda a seriedade de "cambalas" (talvez se deva escrever "Kamba-lá", que também serve para dar nome a uma discoteca africana). O certo é que a cabala foi perdendo prestígio e ainda não se encontrara um substituto à altura. A urdidura lembrava curativos de província, urze envolta em ligaduras para atar no tornozelo ou pendurar atrás da porta para afastar o mau-olhado. Maquinação feria com a sua profusão de engrenagens ou, pior ainda, com a sua trepidação metalúrgica. E assim fomos salvos pela campanha. O termo é do agrado de políticos e marqueteiros: campanhas eleitorais e campanhas publicitárias são o ganha-pão de ambos, e a diferença entre umas e outras é que os produtos que estas vendem são, normalmente, mais fiáveis. A campanha é sempre orquestrada por poderes ocultos e é assim que deve ser. A vítima deve manter o suspense enquanto puder. A campanha é negra (evite os tons neutros e as transparências) e de origem incerta. Isso faz com que o público (ou os eleitores) desconfie de toda a gente, chegando mesmo a perguntar-se se ele próprio não estará involuntariamente envolvido na campanha. Já se sabe que quando é obrigada a revelar nomes, a vítima provoca sempre um anti-clímax: o público está à espera de uma conspiração de banqueiros, da Maçonaria, da Opus Dei, da Confraria do Vinho do Porto e sai-lhe o José Manuel Fernandes e a Manuela Moura Guedes. Uma desilusão, a menos que a estas horas o director do Público esteja no seu escritório a afagar um gato e com um sorriso maléfico de imperador Ming. Se há coisas a que o português médio, a exemplo do médio português Miguel Veloso, tem direito, a campanha é uma delas. Convém conhecer as regras do jogo.

1 comentário

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D