Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

19
Mar09

Die Leiden des jungen Renat

Bruno Vieira Amaral

9 de Junho

 

Caro Guilherme,

 

Não é possível ter noção dos prazeres da vida no campo até se visitar a vila de F. Esta tarde, fui até ao rio. Sentei-me à sombra de uma árvore frondosa e ali, embalado pelo alegre chilrear dos pássaros, fiquei a meditar na beleza que me rodeava. Após algumas horas, resolvi-me a dar umas braçadas. Foi apenas quando fiquei sem pé que me ocorreu que não sei nadar. A vida aqui corre tão tranquila que tendemos a ignorar as nossas limitações. Por sorte, dois rústicos que por ali andavam entre os arbustos, apercebendo-se da minha aflição, salvaram-me. Um deles queria assassinar-me e o outro, mais piedoso, propôs que me violassem. Lamento não te poder transcrever toda a riqueza gramatical e etnográfica da conversa, mas enquanto eles discutiam, aproveitei para me esgueirar. A minha chegada à casa do moleiro, esbaforido e sem roupa, causou uma severa comoção na mulher deste.

 

13 de Junho

 

Guilherme,

 

Conheci o mais extraordinário ser que imaginar se possa. Um anjo, uma manifestação perfeita da sabedoria infinita do Criador. Bem sei que disse o mesmo quando conheci Ifigénia. Mas, acredita-me, esta tem todos os dentes da frente. Está noiva de um burguês todo janota.

 

20 de Junho

 

Caro Guilherme

 

O janota chama-se Alberto. É um daqueles burgueses que está convencido que um bom emprego, uma família decente, a beleza física e uma vasta cultura geral são suficientes para conquistar uma mulher. Por outro lado, despreza aqueles que conseguem equilibrar um cutelo no nariz e não acha graça a que um homem adulto dance com uma costeleta de novilho pendurada nas calças. Ainda por cima tem a tendência para contrariar tudo aquilo que eu digo. Como é um cobarde, nunca manifesta a discordância por palavras e só mesmo um excelente observador poderá descortinar o sarcasmo que se esconde sob aquela aparente indiferença. A verdade é que, apesar disto, simpatizo com ele, embora uma voz me ordene que lhe esmague o crânio com uma marreta.

 

29 de Junho

 

Guilherme,

 

Como são puros os meus sentimentos por Carlota. Ontem, enquanto a observava a partir o pão de centeio para a ceia, tive o desejo ardente de a possuir à canzana, mas logo passou e, instantes depois, já nos imaginava de mãos dadas a passear castamente nas margens do rio.

 

2 de Julho

 

Carlota, Alberto e eu fomos passear pelo bosque. A suave obscuridade que nos envolvia inspirou-me pensamentos lúgubres e sentimentos crepusculares. Um gamo ferido atravessou-se no nosso caminho. Senti-me invadido por uma profunda tristeza. Enquanto atava as botas, tive uma visão do meu próprio túmulo. Oh, Guilherme, tudo me entristece! Carlota compreende-me e também chora por tudo e por nada. A lua lembra-lhe os que já partiram. Só Alberto, esse burguês, ignora esta delicadeza de espírito e, enquanto choramos, ele come nozes.

 

6 de Julho

 

Guilherme,

 

Não me alimento adequadamente vai para três dias. Sabes que a minha compleição física não é de molde a resistir a semelhantes privações. Já pensei no suicídio, mas se arranjar um bom desconto, uma viagem a Itália não está fora de questão.

 

 

10 de Julho

 

Caro Guilherme,

 

Hoje, aproveitando a ausência de Alberto, visitei Carlota. Ela, como sempre, recebeu-me muito bem. Eu aproveitei para abrir o meu coração e para lhe dizer tudo o que tenho calado para meu grande sofrimento e angústia. Disse-lhe que Alberto é um crápula da pior espécie e que se gaba publicamente das doenças venéreas que contrai com “femmes de joie”. Carlota pareceu surpreendida e enojada. Para resistir ao impulso de me cair nos braços, expulsou-me de casa, brandindo uma foice. Já eu ia na estrada e ela ainda vociferava, certamente para ludibriar quem nos pudesse ouvir: “Pulha! Idiota!”. Eu, incapaz de ocultar os meus sentimentos, atirava-lhe beijinhos e chamava-a de minha amada.

 

17 de Julho

 

Guilherme,

 

Alberto finalmente confrontou-me e questionou-me sobre os sentimentos que nutro por Carlota. Fê-lo apontando-me uma arma, o que me deixou um pouco nervoso. Só esta reacção justifica que lhe tenha confessado a minha homossexualidade. Guilherme, sabes bem que não há no mundo homem que aprecie tanto a companhia feminina como eu, mas a real possibilidade de levar um tiro fez-me pensar se será assim tão mau partilhar intimidades com efebos. Alberto, contudo, não acreditou nas minhas palavras. Acusou-me de ser virgem. “Sim, sou virgem e com muito orgulho”, respondi, o que é verdade, à excepção do orgulho. Ameaçou-me e disse-me para não me voltar a aproximar de Carlota. Desatei a chorar. O mundo é negro. Longe de Carlota, sinto que não há nenhuma razão para viver.

Adeus, amigo.

 

17 de Julho, à noitinha

 

Caro Guilherme,

 

Já te falei da filha do moleiro?

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D