Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

26
Fev17

Verão indiano (quarta parte)

Bruno Vieira Amaral

Antes de voltarmos ao festival, passei pelo hotel para tomar um duche e assim libertar-me da película de fuligem que se colara à minha pele. Deitei-me na cama, exausto, e pedi uma sanduíche de frango e um café (“black coffee, please”). Esta pausa inevitável fez-me perder, percebi depois, um dos momentos altos da programação do festival, a actuação de Leela Samson, uma das mais conceituadas e admiradas dançarinas e coreógrafas de Bharatanatyam (uma dança clássica indiana). Deixo-vos aqui uma pequena amostra da arte de Samson. (Tenham em atenção que cada gesto e cada movimento é intencional e tem um significado específico.)

 

 

Quando cheguei, o público já estava em debandada e só me restava ir para o Food Court, desta vez de barriga aconchegada. Enquanto esperava, um senhor aproximou-se de mim e meteu conversa. Era um dos convidados do festival, que estava ali para falar sobre a literatura da partição, literatura escrita na altura ou sobre os terríveis acontecimentos do período em que a Índia e o Paquistão se separaram. Tarun K. Saint já publicou vários livros sobre o tema, mas estava mais virado para falar sobre Portugal, a literatura portuguesa (Saramago, claro, cuja obra conhecia bastante bem), a Europa, o Brexit e assim decorreu a agradável conversa, tornada ainda mais agradável por me ter servido de guia naquela refeição, aconselhando-me os alimentos mais amenos para o meu massacrado estômago. Ao fim da noite, regressámos ao hotel, não sem antes os membros da comitiva que não se tinham precavido com repelente terem sido atacados por brigadas esfomeadas de mosquitos indianos. No bar do hotel, serviram-me então aquele vinho horrendo que fui obrigado a trocar por um anódino gin tónico.

DSC08480.JPG

 

 

No dia seguinte, o último do festival, tivemos uma sessão de leitura. Como me tinham dito que cada um de nós (éramos três) só teria dez minutos, li dois excertos breves do meu romance. O Javier aproveitou o facto de ser o último para ultrapassar em mais de vinte minutos o tempo estipulado com a leitura de um excerto do seu livro sobre o Rio de Janeiro. A moderadora tentou interrompê-lo por várias vezes mas ele estava a milhares de quilómetros de distância, na cidade maravilhosa cheia de encantos mil, a discorrer sobre Manuel Puig, escritor argentino que também viveu no Rio, sobre filmes e sobre uma bizarra ida doméstica ao cinema num prédio anónimo numa pacata rua carioca. Ainda bem que o Javier infringiu as rígidas regras da organização.

Como tinha voo marcado para Goa às três da tarde de segunda-feira, despedi-me de Javier nessa manhã, ao pequeno-almoço. Disse-me que as portas da sua casa de Madrid estavam sempre abertas e eu retribuí-lhe a gentileza, se é que disponibilizar um quarto no meu apartamento na Baixa da Banheira equivale neste caso a uma retribuição. Quando fui fazer o check-out, apresentaram-me uma factura de um valor absurdo que, pelas minhas contas, daria para me meter num rickshaw e passear ininterruptamente por Hyderabad até ao final do ano. Pedi para esclarecerem o assunto com a organização, mas no meu íntimo temia que aquela saborosa sanduíche de frango estivesse a amargar a minha estadia. Esclarecido o equívoco, paguei as minhas contas e segui para o aeroporto.

DSC08608.JPG

 

A viagem para Goa não durou mais de uma hora mas foi num daqueles aviões movidos a hélice que obrigam os passageiros a espreitar constantemente pela janela para confirmar que as ventoinhas não param de repente. Como paguei mais 500 rupias, tive direito a um dos lugares da frente, para poder esticar as pernas, e a uma pequena refeição. Pude comprovar que a altitude não interfere em nada com o grau de picante da comida. A chegada a Goa foi como sair de uma sauna para entrar num forno. Eu tinha levado um casaco leve, de linho, que, no curto trajecto entre a pista e o edifício, me pesou como um sobretudo. Seguindo as indicações do Delfim, do Instituto Camões, requisitei um táxi pré-pago à saída do aeroporto. Entreguei um papelinho com a indicação do destino, mas como a viagem foi muito mais demorada do que eu pensava, fui o caminho todo a suspeitar que teria havido um engano e que ia acabar o dia sentado na berma da estrada, rodeado de uma quantidade de palmeiras que só me lembravam A Cavalgada das Valquírias e Robert Duvall a despejar Napalm fictício em florestas supostamente vietnamitas mas, na verdade, filipinas (isto anda tudo ligado). Contrariando os meus piores receios, o motorista deixou-me tranquilamente à porta do Panjim Inn e, depois de me instalar e de tomar um duche, desci para a esplanada, onde fiquei a beber uma Kingfisher enquanto esperava pelo Delfim, com quem tinha combinado jantar às oito horas.

DSC08613.JPG

 

Na mesa ao lado, um senhor bebia uma Coca-Cola e lia Nine Lives, um livro do historiador escocês William Dalrymple (não sei porquê, pensei que fosse um livro de espionagem ou um romance histórico, mas Nine Lives: In Search of the Sacred in Modern India, fiquei a saber depois, foi um enorme sucesso na Índia, tendo chegado ao topo da tabela de vendas de não-ficção). Nos dias que ali permaneci, encontrei-o sempre, a horas diferentes, a beber a sua cola e a ler o seu Dalrymple, não falando com mais ninguém a não ser com os empregados. Depois de alguns dias passados numa cidade de sete milhões de habitantes (na verdade, nunca nos sentimos realmente rodeados de sete milhões de seres humanos, o que há é um ritmo e um rumor permanentes que nos envolvem e que traduzem para a nossa limitada capacidade de sentir o que é esse número inapreensível e abstracto de sete milhões de almas), a visão de um homem sozinho numa esplanada a beber um refrigerante enquanto lê um livro é perfeitamente alienígena e tão frágil que até a nossa presença silenciosa representa uma ameaça à delicadeza do quadro. Na outra mesa, estavam duas senhoras. Portuguesas. Com os cabelos ainda molhados do banho, roupa branca e leve, um pouco morenas, tinham o ar distendido de final de um dia de praia ou de caminhada. Fumavam, conversavam e, tal como eu, bebiam Kingfisher. Ao contrário do que costumo fazer nestas ocasiões, não tentei perceber o que estavam a dizer, não por pudor ou respeito, mas por um sincero e inapelável desinteresse.

DSC08670.JPG

 

O Delfim chegou acompanhado pelo escritor Rui Zink e por uma amiga, Astrid Ghosh. “Uma viagem de mais de oito mil quilómetros e vou jantar com o Rui Zink”, pensei. O jantar foi agradável – comi um suculento bife medium rear sem vestígios de picante. O Rui Zink, aparentemente um especialista na matéria, deu-me generosos conselhos sobre a melhor forma de amenizar as dores nas costas sem recurso a morfina. No final do jantar, falei com Astrid sobre a literatura da partição e ela ficou de me recomendar alguns dos autores mais importantes. Muitos deles, como foi o caso de Saadat Hassan Manto, escreveram sobretudo contos. Podem encontrar na net a tradução inglesa de “Cold Flesh” para ficarem com uma ideia dos temas e da qualidade. Astrid garantiu-me que a partição e tudo o que sucedeu depois continua a ser uma ferida aberta na sociedade indiana. Há anos, houve um movimento para se fazer um museu dedicado ao tema, mas foi impossível chegar a um consenso: todos os lados envolvidos na questão cometeram atrocidades, nenhum pode reclamar para si o papel exclusivo de vítima e, por isso, preferem todos – hindus, sikhs e muçulmanos, indianos e paquistaneses – esquecer o que se passou. Muitos dos autores que viveram aqueles tempos só foram capazes de escrever sobre o assunto muitos anos mais tarde, já perto do fim da vida.

DSC08731.JPG

Acordei cedo na terça-feira para poder passear a horas em que o risco de uma insolação fosse menor e esperando não ser traído pelas dores nas costas que tinham atingido um nível incapacitante. Nas escadarias da Igreja da Imaculada Conceição, um desses vendedores que se encontram em qualquer cidade onde haja um turista perseguiu-me pelos degraus até vencer a minha resistência e vender-me por cem rupias uma pulseira que se desdobrava magicamente, como um artefacto criado pelas mãos dos antigos sábios da Macedónia. Animado pelo sucesso da primeira investida comercial, o rapaz tratou logo de me apresentar uns conjuntos de moedas e selos antigos, em bolsas de capa de veludo, pelos quais não pedia mais de 1500 rupias. Não querendo pôr em causa a origem e o valor dos produtos, confesso que me impressionou a versatilidade com que o vendedor passou da área da bijuteria, com as suas mirabolantes e flexíveis pulseiras, para as esferas mais elevadas da filatelia e da numismática. Disse-lhe que embora tivesse todo o interesse em adquirir aqueles inestimáveis tesouros, não dispunha no momento dos fundos para o fazer pelo que teríamos de combinar uma hora, da parte da tarde, para completar a transacção. Explicou-me com ar desgostoso que à tarde costumava estar já a muitos quilómetros dali e que, para minha conveniência, aceitaria dar o negócio por fechado a troco de míseras 800 rupias. Inconformado com a minha recusa insistente, ainda baixou para as 500 rupias e desconfio que, se outra fosse a minha tendência para o regateio, teria vindo para Portugal com selos e moedas indianos a troco da pulseira que o sujeito há pouco me vendera.

P_20170131_085759.jpg

 

Caminhei até à marginal, onde o trânsito é mais intenso, mesmo que, em comparação com o de Hyderabad, pareça o de uma aldeia. Pangim fica nas margens do estuário do rio Mandovi. Os ferrys vêm e vão para Alto-Betim Porvorim apinhados de gente e de motorizadas. Não muito longe da margem, há vários barcos-casino ancorados. Foi aqui que vi (e filmei) provavelmente a cena mais bela da minha estadia na Índia. Um cão vadio a banhar-se alegremente nas águas do Mandovi e, depois, a correr pelas ruas com a satisfação mais que pura do animal livre. Subjugados pelos códigos de comportamento a que aderimos na esperança de sermos recompensados sabe-se lá por quem, testemunhar a liberdade genuína de um cão faz-nos invejá-lo para lá de qualquer razoabilidade. Ali perto, há um memorial de homenagem às vítimas da tragédia da lancha Goa, ocorrida em Dezembro de 1901. Pede-se a quem passar por ali que reze pelo eterno descanso dos que pereceram e é isso que muitas pessoas que saem do ferry fazem, aproximando-se do memorial e persignando-se.

P_20170131_093500.jpg

Fui ao Coffee Day, estabelecimento do género Starbucks, que o Delfim me tinha recomendado na noite anterior. Bebi um café duplo. Numa das mesas estavam um homem e uma mulher a consultar facturas e a fazer contas em calculadoras. Presumi que fossem os proprietários e presumi igualmente que aquele negócio fosse um franchising, não só porque utilizavam o café como escritório como o faziam como se não houvesse ninguém à volta. Já contei noutro lugar a minha vida como proprietário de um bar. Um dos meus poucos clientes era um tipo galês, impecável, com o cinematográfico nome de Ray Cherry, que me disse que o que eu vendia ali não eram bebidas nem sandes mistas, era uma experiência. Esta ideia de se vender uma experiência, um “conceito”, tem sido abastardada e papagueada por muitos imbecis que querem envernizar as suas ideias pobres, mas não deixa de ser verdade. Mesmo o café suburbano mais sórdido vende mais que os produtos pelos quais o cliente paga e que consome, vende o ambiente, o exotismo, a própria sordidez se nada mais tiver para oferecer. Ao espalharem facturas pelas mesas que deveriam estar disponíveis para os clientes, mesmo que estes não entrassem, os presumíveis empresários estavam a estragar a experiência que deveriam estar a vender. A senhora, talvez irlandesa, que se sentou na mesa ao lado da minha a beber um “caffè macchiato”, deve ter pensado o mesmo, deduzi eu pelos olhares mais judicativos que intrigados que lançava para a mesa empresarial, repleta de guias de remessa e demais artefactos contabilísticos. Nada que incomodasse os dois casais de jovens russos, corpulentos, eles, atléticas, as raparigas, que respiravam qualquer coisa de ubermenschiano e idiótico que só os descendentes imediatos de novos-ricos exprimem completamente: um vigor físico que a geração anterior não conheceu misturado com um desenvolvimento intelectual incipiente. São os herdeiros de fortunas recentes, sofrem da mesma falta de passado dos pais mas exibem a confiança ameaçadora de quem nunca, ao contrário dos progenitores, teve de baixar a cabeça. Esta postura deu a impressão de ocuparem muito mais espaço do que aquele que fisicamente ocupavam. Encheram o café de uma prepotência atlética e, talvez tenha sonhado, mas vi-os soprar, com o fôlego brutal das suas amplas caixas torácicas, as facturas da mesa dos proprietários que tentaram apanhar comicamente os papéis esvoaçantes.

DSC08706.JPG

 

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D