Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

11
Abr09

A não-vida de Roberto Saviano

Bruno Vieira Amaral

“Ya no soy un hombre, soy un equipo”.

 
Roberto Saviano foi acusado de plágio mas essa não deve ser a maior das suas preocupações. Quando o seu livro, Gomorra, se tornou num sucesso de vendas e Saviano se transformou numa figura pública, os clãs camorristas decretaram-lhe a pena de morte. Demasiada informação a circular por demasiadas mãos. Apesar de movimentar milhões de euros em negócios ilícitos e lícitos, a Camorra (a máfia napolitana) actua na obscuridade, prospera na sombra. É um mercado à parte, com regras privadas e constantes mutações nas hierarquias. É o capitalismo selvagem levado ao extremo. A eliminação da concorrência não se limita ao sentido figurativo. As fusões são quase sempre assinadas com sangue. E é apenas quando as guerras de clãs eclodem, quando já não é possível ignorar os cadáveres que dia após dia aparecem nas ruas de Nápoles e nas lixeiras dos arredores, que a comunicação social se dá conta de que o “Sistema” existe. Terminada a limpeza, redifinidos os equilíbrios de poder, os jornalistas regressam às redacções e o “Sistema” ao “business as usual”. Roberto Saviano não se limitou a descrever o clímax das guerras. Seria o equivalente a reduzir “O Padrinho” ao momento em que Michael Corleone ordena a execução dos rivais. Saviano descreve a vocação tentacular da Camorra, a sua capacidade para se dedicar a negócios tão distintos como a distribuição de lacticínios e o tráfico de armas, passando pelos clássicos da corrupção autárquica: construção civil, futebol e recolha de lixo. É fascinante perceber como este Leviatã dependente de milhares de acções individuais se move com a harmonia de um ballet russo. O trabalho de Saviano é uma notável peça jornalística e literária (apesar das excessivas metáforas orgânicas) sobre a economia, a antropologia (ler o capítulo sobre as mulheres da Camorra), a história (Kalashnikov) e a psicologia dos camorristas. Homens que, a dada altura, vivem em bunkers ou em casas sem condições, não desfrutando da riqueza que administram, vendo o seu poder reduzido ao poder de iniciar um banho de sangue. Assim é a vida de Saviano. Com uma escolta permanente, longe da família e dos amigos, não podendo gozar da fama e do reconhecimento que Gomorra lhe trouxe. Mesmo que não venha a ser morto, Saviano já foi condenado a viver com o medo de uma morte iminente, já foi condenado a não ter uma vida normal, já foi condenado a uma não-vida. Tal como muitos daqueles que Saviano, com tanta coragem, denunciou.

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D