Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

26
Mai09

Zeca

Bruno Vieira Amaral

Zeca. Zeca. Tem cinquenta anos, de certeza não menos, poucos mais terá. Ao longe, a silhueta é a mesma de há trinta anos, o corpo magro, o cabelo crescendo para cima, as mãos enfiadas fundo nos bolsos apertados das calças de ganga gastas, tão antigas como a juventude dele. Sempre viveu ali, em casa dos pais, sem ocupação conhecida, sempre ali, de um lado para o outro, de dia em dia, como um gato a esgueirar-se por portas entreabertas. O Zeca não é deste mundo. Não é de mundo nenhum. Costumava ajudar os pais na frutaria, uma barraca entre outras onde vendiam frutas e hortaliças. A mãe morreu, a frutaria fechou, o pai passa os dias à porta de casa ou sentado no carro. Uma vez discutiram, ele e o pai, o Zeca a dizer que o matava, depois silêncio, ele saiu, bateu com a porta, a vida continuou. A minha avó pede-lhe que faça algumas reparações lá em casa. Torneiras, prateleiras, gavetas que não fecham, portas que não abrem. E ele às vezes vai. Outras, não aparece. Quando aparece, faz as coisas como deve ser. A minha avó dá-lhe 5 ou 10 euros. Um prato de arroz doce. Ele agradece, todo curvado, todo gratidão, desce as escadas, volta uma hora depois, o arroz comido, o prato lavado. O Zeca teve um pombal. Lembro-me disso. Foi há muitos anos. Com umas ripas de madeira erguia-se uma garagem, com umas estacas, a vedação de uma horta. O primeiro a chegar reclamava o território e assim ficava, sem papéis, nem impostos, reconhecido por todos e por ninguém. O Zeca tinha o pombal. Um dia, o Zeca ficou sem o pombal, como outros ficaram sem as garagens e outros sem as hortas, mas permaneceu ali, nos baldios, sem nada para fazer, a descascar os dias, esse fruto que nas mãos do Zeca é só casca, uma interminável casca que se lhe enrola aos pés e que lhe vai amortalhando o corpo.

1 comentário

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D