Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

14
Jun09

Clássico moderno

Bruno Vieira Amaral

 

Um coelhinho de estimação numa panela de água a ferver. Uma mulher, sentada no chão, acende e apaga a luz do candeeiro. Adrian Lyne não faz parte do cânone mas aquelas duas imagens impuseram-se no imaginário social e no património cinéfilo com a mesma força. A primeira tem um antecedente célebre: a cena da cabeça de cavalo em “O Padrinho”. Com o mesmo recurso à violência indirecta, cumprem ambas uma função idêntica: sinalizam o ponto até onde as personagens estão dispostas a ir para conseguir aquilo que querem. A cena de “O Padrinho” não é filmada como uma ameaça. Está construída para que a cabeça do cavalo seja mais um argumento entre homens de negócios. Há o choque da descoberta mas toda a sequência, desde a postura legalista de Robert Duvall à música, realça o “strictly business”. No filme de Lyne, o espectador percebe o que Anne Archer vai encontrar mesmo antes de ela levantar a tampa. O elemento de estranha perturbação que é a panela ao lume na casa vazia é puro cinema, pura tensão cinematográfica, narrativa visual sem enchumaços literários. O mesmo acontece com a cena em que a abandonada Glenn Close acende e apaga a luz do candeeiro, ao som da Madame Butterfly que o amante não quis ir ver com ela. Não há palavras mas nada pode ser acrescentado à descrição psicológica e do estado emocional da protagonista. Uma vez mais, puro cinema.

O impacto social de Atracção Fatal deve quase tudo à polémica em relação à vilã. Afinal, Glenn Close é uma mulher independente, que toma as rédeas da sedução e que parece ter tudo controlado. A personagem, desde o primeiro momento, é apresentada como agressiva e dominadora. O aproveitamento anti-maternal que faz da gravidez ainda a torna mais antipática aos olhos do espectador. Uma amazona que contrasta com a ternura que a personagem de Anne Archer emana. Mulher e mãe perfeita. No meio, há o simpático Michael Douglas que é logo desculpado pela facadinha. Ao contrário do que afirmou a produtora do filme, o filme não passa a mensagem de que todas as acções têm as suas consequências. Se há alguma mensagem é a seguinte: “trair pode meter-vos num monte de sarilhos se vos calhar uma louca”. Mas como ninguém vê o “Tubarão” para fazer uma tese em Biologia Marinha, Atracção Fatal também não pode ser avaliado como um ensaio sociológico, nem pode ser analisado fora das convenções do “thriller”. É verdade que, apesar de alguns pontos em comum, as infidelidades são mais frequentes que os ataques de tubarões. Mas essa proximidade com a vida real não nos deve desviar da leitura cinematográfica. O filme joga com clichés (acontece em todos os filmes de género e se assim não fosse não haveria o arquétipo da femme fatale), manipula os medos sociais dos espectadores e reforça percepcões estereotipadas do papel da mulher em vez de as contrariar, mas isso é sociologia. A articulação perfeita entre momentos de tensão e momentos de alívio até ao clímax final (em que a mulher-mãe mata a mulher-puta, lá está a sociologia), em que Lyne homenageia “Les diaboliques” de Clouzot, faz de Atracção Fatal um thriller irrepreensível. Vinte e dois anos depois, o filme ainda funciona com a mesma intensidade. Mais contido na sua tendência “publicitária”, Lyne realizou um clássico que sobreviverá aos seus detractores sociológicos.

3 comentários

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D