Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

17
Jul09

Conspirações

Bruno Vieira Amaral

Henrique, tal como tu, eu também não sou adepto das teorias da conspiração, uma coincidência que demonstra inequivocamente que os judeus contaminaram a água do ISCTE. Muito me aprouveria acreditar que o Benfica tem sido alvo de uma conspiração de proporções bilderberguianas, que algures na cidade invicta existe um Protocolo dos Sábios do Dragão. Seria a prova de que no Estádio da Luz a inteligência não se esgota nas portas automáticas. Desgraçadamente, todos os indícios apontam para um caso simples de incompetência. Uma incompetência que até a ser incompetente é incompetente. Incompetentes a sério já teriam levado o Benfica para as catacumbas da Liga Vitalis. Mas, no Benfica, a incompetência até consegue ganhar um campeonato, como tu dizes, mijado. As referências à arbitragem são supérfluas. Todas as grandes conquistas precisam de um roubo escandaloso que as eternize. A glória despida da suspeita, a glória no seu esplendor nu, é uma forma pobre de auto-satisfação. Uma boa vitória precisa do despeito do adversário para ser grande. O que fez daquele campeonato uma conquista indigna foi não termos conseguido ver, ao longo de uma época, o Benfica a alinhar uma sucessão de passes superior à unidade (não contam pontapés-de-baliza e os charutos do Luisão para o meio-campo adversário). Em mais de dez anos de desgraças e humilhações contam-se pelos dedos as minhas alegrias de adepto: uma finta do Miccoli a um infeliz defesa do Beira-Mar (valeu uma Champions); uma rabona do Aimar (outra Champions); um golo de um sujeito chamado Beto ao Manchester United (um golo). A vitória sobre o Liverpool foi um acidente cósmico que dispensa análises futebolísticas. Nessa unânime noite do benfiquismo, milhões de planetas pereceram e, algures no espaço, um ser ainda desconhecido para nós terá escrito, através de uma combinação aleatória de símbolos, a obra completa de William Shakespeare. Anfield Road foi um pintelho no grande caos universal. E assim, entre incompetências várias e destruições de mundos, chegamos ao dia 17 de Julho de 2009 e à minha vontade de acreditar numa conspiração portista. Quero acreditar que, sob aquele fato italiano do Rui Costa, rebrilha uma camisola onde se pode ler a ominosa palavra “Revigrés”. Quero acreditar, mas o melhor será falarmos de táctica.

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D