Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

15
Fev10

Gestas e Varas

Bruno Vieira Amaral

 

O que eu gostava mesmo de escrever, se talento tivesse para tais empreitadas, era uma gesta. O texto primordial da nação, a bíblia do patriotismo, acessível a qualquer filho-da-mãe que, após a leitura, verteria lágrimas de arrependimento, amaria profundamente a pátria, os seus heróis e cada uma das pedras, vetustas ou lá colocadas na altura da Exposição do Mundo Português, dos castelos, saberia o nome dos rios e o cognome dos reis, onde nascem as fronteiras e desaguam as tragédias, a árvore genealógica da família real e os brasões das casas de má fama, as ínclitas gerações e os barões assinalados, as proclamações de independência e os murmúrios de dependência, os terramotos e as reconstruções, os filipes e as conchas, os duartes, os sidónios e os possidónios, os sidosos e os sifilíticos, os comunas e os regicidas, saberia tudo de todos e alegrar-se-ia de ser ele também fruto da árvore frondosa (aquela que contornamos no início do filme do Oliveira), antiga e invencível, sob a qual descansam os ricos e bons homens do morgadio e a cujos ramos trepam os macacos de aldeia e seus acólitos, lá vem o taberneiro, traz duas pipas cheias e duas filhas zarolhas, uma mulher sem dentes carregada de pastéis de bacalhau, tira-os da algibeira e joga-os aos cães e aos pobres, que a eles se lançam como gato a bofe, sete cães a um osso, estala o foguetório, “Ah, Bodas de Camacho!”, bons eram os tempos, boa e velha árvore, que a nós nos dás sombra e bolotas aos porcos. Mas tarde cheguei à nação, que já por aí andava ao deus-dará quando eu nasci, espetaram-lhe colheradas de democracia mas aquilo caiu-lhe na fraqueza, engasgou-se e pôs-se a arrotar restos de europa, a bolçar expos e euros e agora é assim como vedes, calhou-nos este moisés das beiras, de vara na mão a apascentar varas de sócrates, que o seguem mal e porcamente, que o Mar Vermelho é já ali e mesmo sem o bafo dos exércitos do faraó nos pescoços hão-de afundar-se, que isto de apartar águas não é para todos.

1 comentário

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D