Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

18
Mar10

Diamantes

Bruno Vieira Amaral

Thriller histórico é um rótulo que esconde mais do que revela sobre aquilo que é O Olho de Hertzog. Não é inexacto, é insuficiente, como são todos os rótulos quando aplicados a bons romances. Há a Lourenço Marques do pós-I Grande Guerra, reconstituída com riqueza de detalhes que captam a diversidade de uma urbe labiríntica, moderna e arcaica, entre o cimento e a palha. E há o mistério, O Olho de Hertzog, o diamante procurado por todos, e cujo segredo é gerido com mestria pelo autor, como se de uma preciosa pedra narrativa se tratasse. O que liberta o romance do espartilho do thriller histórico mais simplista está na afirmação de uma das personagens: “já nada do que ali se passava tinha a ver com o diamante”. A jóia é um engodo. O que interessa são as personagens, as suas motivações, os vários passados que carregam e que tentam dissimular com outros nomes, outras vidas. O tenente alemão Hans Mahrenholz aparece em Lourenço Marques como Henry Miller. Florence Greeff é Florence de la Rey. Natalie Korenico é Peggy Foster. O incansável jornalista João Albasini assina alguns editoriais como João das Regras (o branco) e outros como Chico das Pegas (o indígena). Hans perde-se neste labirinto de passados inventados e de identidades falsas, incapaz de resistir às histórias que lhe vão contando. Aquilo que a princípio parece um pobre recurso para dar a conhecer ao leitor os acontecimentos, revela-se o trunfo do romance: um novelo de histórias magnéticas que inebriam o protagonista e prendem o leitor. Onde o romance falha é na linguagem, excessivamente conformista, sem rasgo. Tivesse João Paulo Borges Coelho guardado para a prosa metade do que investiu na arquitectura narrativa, teríamos um grande romance. Assim, é apenas bom. Um diamante narrativo sem o brilho da prosa.

2 comentários

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D