Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

25
Mar10

O vilão que ri

Bruno Vieira Amaral

As contribuições de Dan Brown para a História da Literatura ainda estão a ser contabilizadas. O trabalho está a cargo de uma organização secreta para a qual eu trabalho a recibos verdes e em regime de part-time. Até há bem pouco tempo, recebia semanalmente uma mensagem codificada com o local e a hora onde tinha de entregar um relatório sobre os progressos da minha investigação. Como o local e a hora eram sempre os mesmos, a organização decidiu acabar com as mensagens, o que entendi como uma prova de confiança na minha capacidade de dedução. O último relatório que entreguei indicava que Dan Brown teria criado o segundo vilão mais sorridente de todos os tempos (depois do Joker e muitos lugares à frente do Salieri de F. Murray Abraham): Mal’Akh. E quais são as razões para Mal’Akh sorrir? Em primeiro lugar, Mal’Akh cortou os próprios testículos, uma excelente razão para alguém passar o tempo a sorrir, sobretudo na modalidade “sorrir para consigo”. “Satisfeito, passou a palma da mão macia pelo couro cabeludo liso e sorriu” (p.25); “Mal’Akh sorriu para consigo” (p. 38); “Sigo na dianteira, pensou Mal’Akh, sorrindo para consigo” (p. 72); “Sorriu, saboreando a frescura do crepúsculo” (numa página qualquer); “Mal’Akh riu-se para si mesmo”, “Mal’Akh sorriu”, “Mal’Akh sorriu” (p. 125); “Mal’Akh sorriu uma última vez ao homem” (p. 152); “Depois desta noite, pensou ele com um sorriso, não terei necessidade deste lugar” (p. 292); “Mal’Akh sorriu”, depois de ter recebido um e-mail (p. 359); “o homem tatuado limitou-se a sorrir” (p. 420). Dan Brown libertou gás “hilariante-para-consigo”, um elemento químico presente em algumas plantas da selva boliviana e em prosa de má qualidade, e Mal’Akh não consegue parar de sorrir, seja para consigo, para com os outros, ao sentir a frescura do crepúsculo, enquanto conduz. Enfim, é um homem satisfeito como qualquer outro prestes a descobrir um segredo que pode transformar o mundo, destruir os pilares da democracia americana e desencadear o processo de beatificação de Paris Hilton. Segue as transcrição de uma conversa entre Dan Brown e Mal’Akh:

 

- Bom dia. O senhor é o Dan Brown?

- Sim, sou eu. Em que posso ajudá-lo?

- Bem, em primeiro lugar ficar-lhe-ia muito grato se me restituísse os meus testículos. Nos últimos tempos sinto-me como um lançador do martelo da ex-RDA, ou como uma lançadora. Tanto faz.

- Quem é o senhor?

- O meu nome é Mal’Akh que significa…

- Nada. Mal’Akh não significa nada. Foi uma brincadeira da minha parte. Então você existe mesmo? Curioso. Mas, olhe, eu não lhe posso devolver os testículos. Você é uma personagem de ficção. O processo é muito demorado.

- Se há alguém capaz de o fazer, é o senhor.

- Nada feito. Que tal escolher o actor que o vai representar no cinema?

- Pode ser o Yul Brynner?

- Não. Já morreu. Eu escrevo ficção. Baseada em factos e teorias da conspiração, é verdade, mas ficção. Não ressuscito ninguém.

- Oiça uma coisa, o senhor descobriu a descendente de Jesus Cristo e diz-me que o Yul Brynner não pode ser o Mal’Akh? Arranje uma solução!

- A sério, não posso. Clive Owen?

- Caramba, quem é que vai acreditar que o Clive Owen não tem tomates?

- Sigourney Weaver?

- Vá lá, o senhor é capaz de melhor.

- E se eu lhe arranjar um papel no meu próximo livro?

- Não me interessa. Graças à sua imaginação, passei uma temporada numa prisão turca e fiquei sem testículos. Que tipo de pesquisa é que o senhor fez? Viu O Expresso da Meia-Noite enquanto lia a biografia do Farinelli? Só faltou uma gaja a esfregar as mamas no vidro.

 

A partir deste momento, a gravação perde qualidade e é impossível transcrever a conversa com rigor.

2 comentários

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D