Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

20
Mai10

Receitas de Meia-Nigella

Bruno Vieira Amaral

Quando chego aos objectos de culto (“estes gajos que ninguém conhece são mesmo bons”) já os encontro na fase de fenómeno de massas (“os gajos venderam-se”) ou, se as coisas correrem bem, na curva descendente que os devolve à condição de objecto de culto com o bónus da nostalgia (“mesmo quando se vendiam os gajos eram bons”). Quem não quer acabar como mascote esfarrapada dos talibans do autêntico, dos que não se vendem, vende-se. Os outros, poucos, aguardam serenamente o processo de luiz-pachequização ou antonio-ganchamento e rezam para que os jovens do futuro ainda se preocupem em fazer relíquias dos vencidos. Mas isto não é sobre literatura, é sobre a forma como a senhora Nigella Lawson se abeirou do meu campo de visão e do meu proto-paladar, que os dois sentidos aqui caminham juntos. Como sempre, cheguei tarde ao objecto. Já meio-mundo a elogiara, e como qualquer especialista em devoções sabe, o escárnio e o vilipêndio acicatam mais o desejo de veneração do que mil esporas de elogios, por genuínos que sejam. Quem é que vai empregar o seu precioso tempo com a Nigella quando sabe que o mais provável é chegar à mesma conclusão que todos os outros? É como se o marido abandonado voltasse a casa e dissesse: “Se não és minha, vais ser de toda a gente”, e andasse para aí a gabar-se da múltipla inexclusividade. Há cultos que pedem multidões (Fátima, o Benfica, inaugurações do Ikea) e há outros que exigem recato e meditação. Pensei que o culto à volta da Nigella fosse deste último género mas assim que a vi a chupar os dedos num programa de televisão percebi que estava enganado. Então, na solidão densamente povoada do peregrino, parti para a Nigella. Cheguei ainda há pouco e o tempo aqui está bom. A Nigella tem um corpo todo ele Cântico dos Cânticos, cedros do Líbano e tal, de uma opulência mediterrânica de carnes.

 

 

Vou no Queijo Mozzarella em Carrozza, uma interessante reflexão sobre a condição do queijo na sociedade italiana. “Em carrozza” significa “num recipiente”, mas se disséssemos “Queijo Mozzarella num recipiente” a coisa perdia a graça e talvez nos sentíssemos tentados a levar o queijo para um centro de análises clínicas. Assim, em italiano, temos vontade de o levar a passear pelos canais de Veneza, qui c’est triste Venise, aux temps des amours morts, de discutir os romances de Calvino, o Italo, entre outros assuntos mais do agrado do queijo, como a levedação. A autora garante que este conto está algures entre “pão frito, torrada de queijo e rabanadas”, ou seja, literatura neo-realista do pós-guerra em ambiente de festividades natalícias, e insurge-se contra a tradição: “Não vou fazer de conta que esta receita é tradicional.” Não é. Nigella apropria-se da tradição para nos oferecer algo novo e com malaguetas.

 

Fiambre com Coca-Cola

 

Nigella aventura-se no auto-plágio: “Esta receita é do meu livro How to Eat, mas com algumas alterações.” Não, isto é mais O Toldo Vermelho da culinária. “E não, não vou pedir desculpa por copiar, ou melhor, reformular esta receita pela simples razão de que insisto que a prove.” Nós aprovamos. “A bebida doce e gasosa tem tudo a ver com o espírito da carne assada.” O espírito da carne assada? Estará Nigella a entrar na mitologia Navajo? O único conselho que retive é “nem pense em usar Coca-Cola Zero!”, com ponto de exclamação e tudo. Oh, Nigella!

 

Jaquinzinhos

 

Rendo-me a Nigella! Jaquinzinhos? “Já praticamente me tinha esquecido da existência de jaquinzinhos até os ver à venda numa peixaria.” É por estas e por outras que eu tenho uma agenda onde registo o nome dos peixes e respectivo número de telefone. “Jaquinzinhos são peixes pequenos”, “normalmente são carapaus pequeninos”, embora em cativeiro possam ser encontrados alguns do tamanho de lontras e outros com a voz do José Carlos Malato. Depois, vem a eco-política: “Eu sei que há uma geração mais naturalista para quem a ideia de comer peixinhos-bebés inteiros pode ser pouco tentadora.” A minha avó sempre me disse que comer jaquinzinhos era um acto essencialmente imoral, sobretudo quando acompanhados de arroz de tomate. Mas há momentos em que o homem é apenas um elo na cadeia alimentar, um “mamífero de curta duração”, como diz Steiner, e nessas alturas já se sabe que é capaz de qualquer coisa, incluindo comer hambúrgueres do Lidl e jaquinzinhos, enquanto declara que o aumento do IRS não terá efeitos retroactivos.

3 comentários

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D