Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

21
Ago10

Conos

Bruno Vieira Amaral

Connadamãe

 

O circunspecto, superiormente educado, afável e eloquente Professor Queirós (no fundo, um homem cheio de tensões e de raivas acumuladas e com pouco talento para as disfarçar) depois de ter utilizado estas qualidades para convencer o comentador Jorge Baptista da iniquidade dos comentários deste, mandou o Professor Luís Horta para a connadamãe, sugestão que aparentemente não terá sido acatada com a presteza usual entre professores. Quando um professor manda alguém para a connadamãe quer simplesmente dizer “volta lá para o buraco de onde saíste”. Queirós podia ter mandado Horta para casa, para o laboratório, para a escola, mas optou pela mais regressiva de todas as possibilidades, uma variação conal do que se dizia aos pretos (“Vai lá prá tua terra, ó preto”, um insulto que hoje em dia caiu em desuso porque o ofendido geralmente baixava a cabeça e comprava um humilde bilhete de comboio para a Amadora). Ao dizer o que disse, Queirós afirmou que era melhor que Horta não tivesse nascido, aconselhando-o a regressar à connadamãe para prolongar o período de gestação até limites supra-paquidérmicos.

 

 

Connamole

 

Cresci num tempo em que connamole era insulto. O connamole era o enjoado, a quem repugnava o ar livre e até o oxigénio, se não lhe fosse essencial à sobrevivência. O connamole não se limitava a não participar nas nossas iniciativas bárbaras; ele gostava de expor a molezzadiconna à nossa contemplação. Em vez de ir para casa quando não queria brincar, ele ia para a rua precisamente quando não queria brincar. Sabendo que não nos podia impedir de fazer o que nos apetecesse, o connamole fruía o secreto prazer de retirar às brincadeiras o fôlego da unanimidade, indispensável quando nos queremos comportar como verdadeiros símios. De forma involuntária, o connamole introduzia uma dose de racionalidade em actividades que, quando observadas do exterior, careciam desse atributo. O connamole constrangia-nos a sermos menos estúpidos do que desejávamos.

 

Connarrapada

 

Não quero emular o espanhol que com infinitas graça e tesão descreveu minuciosamente os encantos das mais variadas espécies de cona. Terei alguma apetência para sátiro mas nenhuma para entomólogo, o que me proíbe de grandes tratados de conologia. A minha reflexão, à força de muito cunnilingus (que mania esta de se lamber em latim) e não pouco tédio, tem o humilde propósito de aumentar a bibliografia sobre a connarrapada, género que relegou a connafelpuda do mainstream para um circuito alternativo frequentado por fetichistas e intelectuais franceses. Apesar da recente popularidade, a connarrapada permanece alvo de desconfianças múltiplas que insistem em identificar a glabra preferência com uma oblíqua nostalgia infantil ou com a padronização industrial ditada pela pornografia. Confesso, desde já, que no meu caso trata-se de um notório cruzamento de ambas, ao qual acrescentaria um fascínio pela beleza nua de bivalve que é própria da cona. Há quem ache a cona esteticamente repugnante, grupo que inclui indiscriminadamente mulheres e homens, embora a maior parte destes não se detenha nesse tipo de apreciações supérfluas e um tanto efeminadas. Mas o aumento do número de ninfoplastias, ou conoplastias, ao revelar uma crença na perfectibilidade da cona, no seu embelezamento cirúrgico, significa que a beleza da cona é um dado objectivo e não uma impressão que me assaltou subjectivamente ontem à noite enquanto executava um minete com tal arte que a minha língua se fez Menuhin de uma cona-violino (não vêm os melhores de Cremona, nome sugestivo de entre todos?). A cona pode ser bela. A cona deve ser bela. A questão da connarrapada é da ordem do que deve ser mostrado: é mais apetecível a muçulmana de burqa que atravessa as ruas do Cairo ou a rapariguinha que se bamboleia de mini-saia na estação de Rio de Mouro? Nenhuma, se ambas padecerem de candidíase. Sátiros de todo o mundo, quereis a cona de burqa ou a cona imberbe, a cona oculta ou a cona desaforada, courbetcona ou schielecona? A minha preferência, hoje, sábado, 21 de Agosto de 2010, embora possa ser circunstancial e daqui a uns anos pareça um anacronismo ou uma deficiência de espírito característica da época (lembrai-vos das bem nutridas figuras femininas de Rubens), vai para a connarrapada. Talvez no Inverno mude de ideias.

4 comentários

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D