Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

17
Out10

Sobre Michael Landon

Bruno Vieira Amaral

Esta noite sonhei com Michael Landon. O sonho apanhou-me no meio de uma estrada, a muitos quilómetros da povoação mais próxima, que era Idanha-a-Nova, Wichita ou uma terreola lá em Minas. De repente, como habitualmente acontece nos sonhos, Michael Landon estava ao meu lado e assobiava a música do Dallas. Reconheci-o logo. Tinha aquela cara de genérico, a cara de um gajo que consumiu muita erva na primeira juventude e que, apesar de ter abandonado o consumo há muitos anos, nunca perdeu as feições que evocam bondade monástica e longos períodos de inconsciência.

 

 

- gruf n’gruf argnuf vonurf. Trignurf? – perguntou-me

 

- Palavras sábias – respondi eu. Mas o casaco é da minha prima que se vai casar amanhã.

 

Entretanto, comecei a assobiar a música do genérico de Um Anjo na Terra e perguntei ao Landon se ele era da opinião que a série mais não era do que o Kung-Fu para entrevados. Nesta altura já estávamos acompanhados de Victor French e foi este que, enquanto tirava bocados de laranja e periquitos da barba, disse:

 

- Michael Landon é a antítese de David Carradine e nada melhor do que comparar as respectivas mortes. Landon sucumbiu adequadamente a um cancro, enquanto Carradine foi desta para melhor na sequência de uma tentativa de masturbação só ao alcance de mestres de Shaolin ou de artistas do Cirque du Soleil. 

 

Para nos proteger de uma tempestade, Landon criou um escudo invisível à nossa volta.

 

- Não me lembrava que tinhas estes super-poderes. Pensei que neutralizavas os inimigos através do uso de parábolas, projectando-os para uma dimensão de culpa, arrependimento e redenção mesmo a tempo de acabar o episódio.

 

De um momento para o outro estávamos na cave de um edifício governamental em vídeo-conferência com Devon Miles e Pete Thornton. Primeiro ponto: Devon Miles consegue ser mais gay do que uma canção de Noel Coward. Miles não é credível enquanto chefe de uma organização, a não ser que sejamos capazes de conceber uma organização liderada por um actor do West End que não tivesse tempo para tirar toda a maquilhagem.

 

 

Pete Thornton é um afável burocrata, risonho e rotundo, cuja função consiste em arranjar bilhetes de avião para MacGyver se deslocar a ditaduras imaginárias. No meu sonho estavam a jogar à sardinha. Acordei com o meu vizinho do segundo andar a cantar “My Way”.

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D