Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

03
Out11

Desculpas

Bruno Vieira Amaral

Envelhecer é isto: começam a faltar-nos pessoas a quem pedir desculpas. Não aquelas que morrem, essas estão sempre disponíveis, uma disponibilidade eterna e branca, mas aquelas que estão vivas, muralhadas pelo silêncio, fartas da palavra e da lógica, dos nexos de causalidade, “eu fiz isto porque tal”, “eu estava para fazer isso mas não sei o quê”, isso cansa, meu amigo, essa ladainha interminável de justificações, promessas, a insistência em sermos tantas palavras e tão pouca carne, isso corrói, a pessoa cansa-se e desiste, “não quero ouvir mais nada”, tantas vezes que ouvi este desabafo da minha mãe, até ao dia em que ela o disse a sério sem o dizer, porque quando não queres ouvir mais nada já não fazes um último esforço para manifestar essa vontade, recolhes-te e calas-te, deixas os outros lá fora, no amparo ilusório das palavras, com o ruído incessante das desculpas, dos perdões suplicados e traídos, decides ignorar, fechas a porta, o mundo que continue, não te importas, sempre foi assim, maridos que se explicam às mulheres, filhos aos pais, empregados aos patrões, políticos aos eleitores, réus aos juízes, tantas palavras gastas para ludibriar, para transformar as acções em intenções, os crimes em necessidades, os erros em deslizes, a realidade numa merda de plasticina, moldável e elástica, “não era essa a minha intenção”, “eu precisava mesmo daquilo”, “não reparei”, sempre à espera da absolvição, “não faz mal”, “vê lá se tens mais atenção da próxima vez”, “não te preocupes, isso resolve-se”, até que essa capacidade de absorver, de desculpar, de ignorar, se esgota e nunca mais queres ouvir nada. Esta história contou-ma o teu pai, podes confirmar com ele, ele já estava na segurança, num supermercado, e apanha um gajo a roubar, foi atrás dele, agarrou-o e ele com os bolsos cheios de desodorizantes e cremes, “amigo, tenho os filhos em casa cheios de fome”, percebes? Palavras, palavras, filhos, fome e um casaco cheio de desodorizantes, nem se deu ao trabalho de fazer sentido porque aquele discurso, aquela diarreia do pedir perdão, colara-se-lhe ao cérebro, à língua, um gajo deixa de ouvir, escolhe não ouvir mais, chega a uma idade em que pode abdicar da audição, tal como um cego conhece o mundo sem o ver, o sítio onde estão as chávenas e os degraus, os interruptores e as cadeiras, o homem que desiste de ouvir também sabe a exacta localização das palavras, dos pedidos de perdão, das justificações, das exigências, não precisa de as ouvir, fê-lo durante a vida inteira, basta aquiescer, sabes o significado dessa palavra? Não te preocupes. Tens muito tempo para aprender.

2 comentários

Comentar post

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D