"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos
24.2.17

Na manhã de sexta-feira assisti à inauguração do festival, que decorreu nas instalações da escola pública, onde se destaca um edifício monumental que tem à entrada uma placa com o desenho de uma águia e a inscrição “Shaheen” – “Be Vigilant”. Depois de alguns percalços, os voluntariosos voluntários distribuíram os sacos e os dísticos destinados a cada um dos convidados. O céu estava nublado e já se fazia sentir um calor opressivo. Ainda não havia muita gente a passear pelo recinto mas a tenda principal estava cheia. No palco estavam sentadas as figuras de proa, incluindo um responsável político do estado de Telangana, o orador convidado para fazer o discurso de abertura e a senhora embaixadora das Filipinas na Índia, Teresita Daza. Os directores deram as boas-vindas a todos e gabaram o festival e um coro de jovens surdos-mudos cantou o hino nacional da Índia num perfeito uníssono gestual. O discurso de abertura ficou a cargo do célebre poeta e crítico Ashok Vajpeyi de que eu nunca tinha ouvido falar e que presumo seja desconhecido da maioria dos leitores portugueses. O discurso, apesar de centrado nas virtudes da literatura, teve um forte conteúdo político, amenizado por (ou camuflado sob) um sorriso astuto e gaiato, nos antípodas da presunção que certos escritores (alguns portugueses) usam quando em entrevistas, festivais e cerimónias de entregas de prémios falam de política e com que recolhem aplausos generalizados e automáticos e, paradoxalmente, são gregariamente celebrados como dissidentes, as vozes do contra, um contra que segue a corrente.

DSC08449.JPG

 

Tão sereno como contundente, o poeta falou das razões para ter devolvido, em Janeiro de 2016, o doutoramento Honoris Causa que lhe tinha sido atribuído pela Universidade Central de Hyderabad. A razão principal foi a atitude anti-dalit (os dalits são o que os escritos bramânicos classificam de “intocáveis”) das autoridades que terá estado na origem do suicídio de um aluno dalit, Rohit Vemula, no campus da universidade de Hyderabad. Na sequência da decisão de Vajpeyi, e inspirados por ele, muitos outros escritores e intelectuais devolveram em protesto prémios e condecorações às instituições oficiais que lhos tinham atribuído. Após este interlúdio político, que deixou alguns elementos da plateia com comichão no rabo, o poeta voltou à literatura e terminou a intervenção com a leitura de alguns poemas em inglês e, depois de instado por um elemento do público, em hindi.

DSC08451.JPG

(Em poucos minutos, ficaram patentes algumas das tensões que atravessam a sociedade indiana, dos efeitos da política de direita do primeiro-ministro Narendra Modi, aos movimentos de contestação estudantil que, regra geral, estão na vanguarda de reivindicações que vão muito para além dos interesses imediatos dos estudantes e se estendem à defesa das culturas minoritárias e ao ataque à continuada política de discriminação das castas inferiores. Apesar de o ambiente dos festivais literários não ser propriamente favorável a um político como Modi (ao qual mais de uma pessoa se referiu como o Trump indiano), fiquei com a ideia de que a avaliação do seu desempenho enquanto primeiro-ministro dependerá em larga medida do desempenho económico da Índia e que muitos estão dispostos a desvalorizar os aspectos mais estritamente sociais e culturais desde que o crescimento não abrande. Isto foi particularmente visível na reacção a uma das medidas mais polémicas de Modi, a decisão de, de um dia para o outro, retirar de circulação as notas de 500 e 1000 rupias, com a intenção de obrigar a uma maior utilização dos pagamentos com cartão, atacar a economia informal e reduzir a prevalência do chamado “dinheiro negro”. A medida drástica teve efeitos catastróficos, com as restrições ao montante dos levantamentos a causarem incómodos generalizados numa sociedade em que o peso da economia informal, como já referi, é enorme. Mas, ao fim de alguns meses, a maioria dos indianos, segundo as sondagens mais recentes, aprova a medida do primeiro-ministro, embora haja quem critique a forma como foi implementada. O certo é que, neste momento, a reeleição de Modi é o cenário mais provável para as próximas eleições e nem mesmo uma difícil união de toda a oposição poderá ser suficiente para o evitar.)

No final da sessão de abertura, os convidados acenderam uma lamparina que supostamente terá permanecido acesa durante o resto do festival, facto que não me preocupei em confirmar. De saída da tenda, assistimos à actuação de um grupo folclórico local, exclusivamente constituído por homens de faces pintadas e ornados com penas e colares.

DSC08466.JPG

(Há muitos homens na Índia. Por exemplo, em todos os hotéis em que fiquei, as únicas funcionárias estavam acantonadas nas recepções. Eram os homens que faziam a limpeza dos quartos. Ali, no meio inabitual das arrumações, entre baldes, panos e limpa-vidros, aqueles homens tinham algo de assexuado, como eunucos. Quando os via atrás de uma porta entreaberta, pareciam-me sempre em cochichos conspirativos de gineceu. Exibiam uma certa irreverência, no que esta tem de boçal, enquanto a maioria das mulheres, quer pelo modo de se passearem pelas ruas, algumas protegidas por sombrinhas, quer pelo modo delicado de segurarem um pedaço de dosa com a ponta dos dedos e levá-lo elegantemente à boca, desprendiam uma certa seriedade, no que esta tem de digno, uma virtude patrícia de que só elas guardam ainda o segredo. Um, que varria os corredores alcatifados, apresentava os sintomas ambivalentes de cansaço e determinação de quem faz uma tarefa que não percebe e que, apesar disso, está na disposição de continuar a executar até ao fim dos seus dias. Lembro-me do som que a minha mãe fazia ao varrer a casa e que, quer se afastasse quer se aproximasse da divisão onde me encontrava, permitia adivinhar, pelo ritmo, se faltava muito, a quantidade de lixo já recolhida e se, no meio do pó, havia algum pequeno objecto sólido, talvez metálico, denunciado pelo ruído que fazia ao deslizar pelo plástico da pá. Já a vassoura do empregado indiano era mais do género pendular, como se marcasse o tempo num movimento perpétuo.)

Muita gente tirou fotografias e filmou o momento, mas devo confessar que fiquei mais impressionado quando, após o final, vi o grupo numa zona mais sossegada, sentados a conversar à sombra de uma árvore, ainda com os trajes tradicionais, como se tivessem saído das personagens dançantes e destas não restasse mais do que uma camada exterior.

 

Os meus enganos e percepções erradas acerca da comida indiana sucederam-se ao ritmo das refeições e dei por mim a optar por uma dieta de muffins de caju e água mineral. Apesar de tudo, o jantar de sexta-feira foi, tenho de o confessar, glamouroso, realizado no amplo terraço do hotel, com mesas primorosamente decoradas, cadeiras de plástico com forros brancos e laços grenás. Para gáudio de uma parte da comitiva que me incluía a mim e aos dois espanhóis (um escritor e um agente literário) havia bebidas alcoólicas, whiskey, vodka, cervejas locais e internacionais e um vinho tinto cuja origem não consegui apurar mas de que tive muitas saudades quando, no dia seguinte, me serviram um copo no bar que me trouxe à memória o saudoso Machadinho que o meu avô quotidianamente bebia. Javier, o escritor espanhol apaixonado pelo Rio de Janeiro e com o ar triste de quem não vê o seu amor correspondido, falou em vino pellejón e não serei eu a encontrar definição mais feliz (para a escritora galesa que nos acompanhava, Javier traduziu a expressão por “wine to pick a fight”, que ilustra bem o que se perde na tradução quando nos encontramos nestes festivais).

No sábado foi a nossa vez – escritores em representação do Velho Continente (como é bonita esta expressão, ainda que geologicamente disparatada) – de subirmos ao palco. A sessão não foi das mais concorridas, como era de esperar, mas mesmo assim havia mais de trinta pessoas na plateia. Mostraram-se interessadas na literatura europeia, mesmo que a ideia que dela têm seja a de uma literatura homogénea. Aos olhos da maioria dos indianos, até mesmo aos olhos da maioria dos que assistem a festivais literários, a literatura europeia é tão longínqua e exótica que uma leitora veio falar connosco sobre Elena Ferrante com aquele entusiasmo familiar de quem acha que qualquer escritor vindo da Europa certamente já se terá cruzado com a misteriosa autora italiana. Esta simpática leitora, que até tinha lido uns excertos do meu livro em inglês, vê-nos como uma indistinta amálgama paroquial de escritores, o que é justo e bom porque nos ajuda a relativizar as coisas.

Após a sessão, apanhámos dois rickshaws para o centro da cidade, numa viagem de uma hora pelas ruas mais poluídas do mundo que conheço, durante a qual, enquanto inalávamos espessas golfadas de dióxido de carbono, discutimos os méritos de Elena Ferrante, Knausgard e Bolaño – chegando eu à conclusão de que o melhor da obra do chileno eram os romances breves como Estrela Distante. O mais incrível é que, no meio daquele caos, com peões a atravessar a rua sem aviso e em que o trânsito circula sem outras regras que não as de um tipo particular de bom senso desenvolvido ao fim de anos de experiência e de uma perícia tão entranhada que já nem pode ser classificada de perícia, mas de aptidão natural, e a de buzinar tanto quanto possível e sinalizar uma mudança de direcção de qualquer maneira imaginável excepto com o pisca, o mais incrível, dizia eu, é que os dois rickshaws chegaram ao destino exactamente no mesmo segundo. Foi o Javier que me chamou a atenção para esse facto transcendente só possível de ser explicado – por nós, ocidentais deslocados – por um sistema de orientação espacial idêntico ao das abelhas, como se os condutores de rickshaw se guiassem por uma espécie de comunicação não-verbal, de eco-localização, que para qualquer outro ser humano é indecifrável e misteriosa. Ainda mais admirável é a relutância que estes mártires da poluição urbana demonstram em conversar com os clientes, além da indispensável negociação inicial onde se dá a conhecer o destino pretendido e se combina a tarifa a aplicar. Um deles de vez em quando trauteava uma melodia, mas os restantes estavam entrincheirados num mutismo militante e, diria mesmo, monástico.

DSC08512.JPG

Imaginei que o condutor de rickshaw, ao tomar a fatídica decisão de enveredar por esta profissão, seja obrigado a deixar para trás mulher e filhos, entrando naquele favo móvel, naquela cela apícola, com a resignação ardente do homem que se recolhe num mosteiro. Nenhum cedeu à tentação de se armar em guia e de se pôr a descrever os locais por onde íamos passando, talvez porque esse género de atrevimento não seja aconselhável quando se conduz o mais vulnerável dos veículos pelas artérias congestionadas de Hyderabad. Mas nem com tal concentração Shaolin foi possível evitar um pequeno incidente. O condutor do trauteio guinou bruscamente à direita para se desviar de uma carrinha Goods Carrier que travara subitamente e, nesse preciso momento, interrompeu a melodia bucólica que talvez lhe lembrasse a aldeia natal e soltou um gemido que me permito traduzir por “já me fodi”, embatendo tão suavemente quanto possível na traseira de outro rickshaw, com um autocolante que pedia encarecidamente ao condutor que fizesse soar a buzina. Durante alguns segundos, poucos, devo dizer, pensei em preenchimentos de declarações amigáveis mas o embate, além de ter provocado um silêncio imaginário na minha cabeça, não perturbou ninguém e os veículos lá prosseguiram como se nada tivesse acontecido, não tendo havido sequer lugar a um pedido de desculpas como aqueles que dirigíamos ao condutor de um carrinho de choque contra o qual embatíamos involuntariamente. Acrescento que nem os próprios polícias sinaleiros – espécie já extinta nas nossas ruas – parecem convencidos da sua utilidade. Em certas ocasiões, vi um ou outro a erguer-se de um estupor fumarento, soprar um apito branco e tentar imprimir alguma ordem, embora alguns condutores, sem a certeza de que as indicações gestuais fossem de cumprimento obrigatório, avançassem à revelia da autoridade com aquilo que em Hyderabad será prudência mas que em qualquer outro lugar do mundo é tentativa de suicídio.

Para entrarmos na Mesquita de Mecca, a uma centena de metros do Charminar, passámos por um detector de metais que apitava sempre que alguém passava, deixámos os sapatos à entrada e caminhámos sobre lajes atapetadas com uma camada de merda já ressequida de pombos fiéis que fizeram do lugar de adoração a sua casa. As mulheres podem entrar, desde que decentemente vestidas, e há quem forneça gratuitamente conselhos às estrangeiras sobre a forma mais adequada de cruzar o xaile sobre o peito ou de cobrir a cabeça com um lenço. Era hora da oração e lá dentro centenas de homens – velhos, jovens, adolescentes e crianças – executavam preciosamente a coreografia da submissão, no que eram imitados por algumas mulheres mais zelosas no exterior. No pátio fronteiro, havia muitas crianças a correr e que, incentivadas pelos familiares, se lançaram para os braços da escritora galesa para tirarem fotografias. Havia também homens a fazer as abluções num pequeno lago ao lado do qual se encontram os túmulos dos sultões e para onde fomos encaminhados por um velho vizir que nos levou até à presença de um homem sentado em posição de lótus, a queimar pétalas e incenso. Com um sorriso alheado e santo, abençoou-nos com um pouco de cinza na testa. A bênção custou-nos cem rupias a cada um. A voz do muezim a derramar-se pelos altifalantes era menos lúgubre da que ouvira no dia anterior perto do recinto do festival, um lamento soturno só comparável em tristeza religiosa ao órgão de uma igreja evangélica na Morelena que, numa noite já muito distante, visitei na companhia do meu tio.

DSC08548.JPG

 

DSC08577.JPG

 

 

link do postPor Bruno Vieira Amaral, às 22:39  comentar

 
mais sobre mim
Fevereiro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
23
25

27
28


Sitemeter
blogs SAPO