Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Circo da Lama

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

"Se ele for para a Suiça, não lhe guardo as vacas", David Queiroz, pai de António, vencedor da Casa dos Segredos

Circo da Lama

14
Jun10

A carcaça pretérita

Bruno Vieira Amaral

Depois de uma semana de férias em Melides, a conselho do Professor Cavaco e Silva e por imposição da minha minguada conta bancária, regressei aos arredores da civilização, onde a Zon e o gás canalizado convivem pacificamente com ecopontos vandalizados e paragens de autocarro com horários que apenas servem para que tenhamos consciência da magnitude dos atrasos, indesculpáveis em qualquer outra ligação que não Barreiro-Coina. Resta-me a simpatia da senhora que me vende o pão e que teve a gentileza de oferecer uma carcaça para além das quatro que solicitei. Num país em que a generosidade vive contida durante um ano inteiro para se libertar ferozmente em forma de latas de salsicha e pacotes de esparguete nas campanhas do Banco Alimentar Contra a Fome, este acto de sentido altruísmo comoveu-me até à desconfiança: qual o objectivo de tão inusitada oferenda? Haverá aqui uma fidelização pré-cartões que garante uma carcaça na compra de quatro? Seria a carcaça de ontem? Não. Ontem foi domingo e aos domingos não há pão. Então, se a carcaça não era pretérita, qual o significado oculto desta transacção? Haverá aqui um sentido religioso?, pensei eu enquanto mergulhava a carcaça no molho da salada. Não obtive nenhuma resposta satisfatória pelo que me dediquei ao visionamento distraído do Holanda-Dinamarca. Uma das coisas que me impede de ser o Luís Freitas Lobo é a minha intolerância aos momentos de um jogo de futebol em que não acontece nada, que ronda os 82 ou 83 minutos por jogo. Para os estudiosos do futebol enquanto fenómeno táctico-filosófico, um jogo fervilha de acontecimentos, há sempre qualquer coisa a acontecer, movimentos sem bola, posicionamento, trincos que lêem o jogo como um rabi lê o talmude, passes laterais entre o central e o defesa-direito, as subtis oscilações das sobrancelhas de Domenech, etc. A mim, a ocorrência frenética de eventos é desprovida de qualquer interesse se a bola não estiver nas imediações da grande área ou na posse de um jogador alemão, o que é a mesma coisa. Quando o esférico (sim, o esférico) está nos pés de Badstuber ou de Mertesacker o perigo é três vezes superior ao de uma jogada em que o Simão tenha ultrapassado o defesa-esquerdo e se prepare para efectuar um cruzamento. A minha ligação ao futebol não é romântica, é infantil. Tenho a nostalgia imberbe de um futebol de ataque puro e ignorante, povoado de avançados britânicos desdentados e guarda-redes quarentões a fazerem as vezes das nativas pintadas por Gauguin e em que o relvado é uma extensão da selva naïve de Henri Rousseau. A força magnética que prende a bola aos pés de Messi é a mesma que me prende à televisão nesses momentos em que a táctica e os comentários do Freitas Lobo são solenemente mandados para o caralho e remetidos para as páginas esquecíveis de uma qualquer edição de 4ª feira de A Bola. Aquelas jogadas são tão estúpidas como dez miúdos da primária a correr atrás da bola, sem qualquer ideia de organização e em que a única posição eterna e imutável é a do ostracizado guarda-redes, figura trágica condenada à solidão de uma baliza de pedras; a diferença é que a estupidez de Messi é almofadada pelo génio. Ele faz porque consegue fazê-lo, como o Evil Knievel a saltar por cima de cento e cinquenta autocarros. E são esses momentos que me fazem desviar o olhar da descrição exaustiva das punhetas de Alexander Portnoy para a Sport TV1. Mães castradoras, pais impotentes, hipocondria e hipersexualidade, uma imensa caldeirada de borrego e culpa, a condição judaica como anedota da condição judaica como anedota da condição judaica como anedota da condição judaica, numa linha que vem deste Roth, passa por todo o Woddy Allen e Jerry Seinfeld até aos inócuos American Pie e à nova geração de cómicos (vidé Seth Rogen) que se está positivamente a cagar para estas tretas psicanalíticas e para quem o judaísmo da Europa Central é tão distante como os manuscritos do Mar Morto. Depois de Portnoy, a narração da experiência judaica na primeira pessoa foi repetida no cinema e na televisão até dela não sobrar mais do que uma ideia liofilizada de milhares de indivíduos fechados numa perpétua transmissão de Os Dias da Rádio num canal por cabo. Meninos-prodígio rodeados de familiares com prisão de ventre, tios sinistros e primas-escândalo, empurrados pela hiper-protecção materna para uma sexualidade voraz e culpada, como se tivessem de foder até tirar a imagem da mãe em roupa interior da cabeça. Portnoy é tudo isto. Mas Roth não tem culpa de nos alimentarmos de comida requentada. Afinal, Portnoy já tem quarenta anos e não tem culpa (culpa, culpa, culpa) do que veio depois.

14
Jun10

Amargura

Bruno Vieira Amaral

Pelas cartas que Jorge de Sena escreveu a Sophia de Mello Breyner percebemos que a amargura daquele homem era intrínseca e não, como poderíamos acreditar, um sentimento reservado para a pátria. Há um desarranjo com o mundo que nenhuma mudança geográfica disfarça. A desilusão com o Brasil e com os EUA é somente menos visceral do que a desilusão com Portugal, o que se compreende. O optimismo sofrido de Sophia é a consequência de ter ficado, de quem teve de pensar o país ao mesmo tempo que o vivia, entre o sublime da poesia e as ridicularias de uma elite tacanha. A distância de Jorge de Sena em relação ao país explica o paradoxo de uma lucidez de fundo bilioso. Vem tudo do fígado. Trabalhador incansável, Sena queria ser reconhecido por um país de merda e quanto menos era reconhecido pior se tornava o país aos seus olhos e mais ele desejava o reconhecimento: uma contradição autofágica e inesgotável, um desejo que se alimenta de raiva que alimenta o desejo.

 

Sophia tinha sempre o ideal, a luz límpida e inteira que encontrou na Grécia, porque podia idealizar na sua condição de turista, na sua disponibilidade para se fascinar, de não ir para além da superfície. A experiência do “exílio” – comum a tantos intelectuais da segunda metade do século XX – tornou Sena menos susceptível ao fascínio superficial das paisagens e dos objectos e mais vulnerável aos efeitos do trato humano: “É noite de Natal, de um Natal em que não acredito, mas desejaria verdadeiro, por conta de uma humanidade que, cada vez mais, considero irremediável na sua maldade.”

 

Vejamos as passagens de Sophia sobre a Grécia e o Brasil:

 

“O primeiro prodígio do mundo grego está na Natureza: no ar, na luz, no som, na água. [...] Sob o sol a pique, numa claridade azul indescritível, o ar é tão leve que nos torna alados e o menor som se recorta com uma inteira nitidez. [...] O que há de extraordinário ali é que o mistério é à luz do sol.”

 

“O Rio é lindo mas a maior impressão que recebi foi ao desembarcar no aeroporto do Recife, a madrugada roxa, o calor roxo, o perfume roxo da terra, fruta, flor. Senti-me mergulhada em pleno Lautréamont.”

 

Agora as impressões de Sena:

 

“Mas não se deixe prender pelo exotismo do Brasil – respire, por trás dele, uma humanidade que tem muitos defeitos portugueses, mas não perdeu algumas das qualidades.”

 

“O Brasil é uma beleza, em que há de tudo, desde a floresta primeva à grande cidade [...], e os brasileiros são gentilíssimos, quando uma pessoa está de visita. [...] Eu tenho seis anos daquele país que amo, com um amor muito infeliz.”

 

“Mas olha que o Francisco terá tido certa razão ao reagir ante a Grécia antiga – lembra-te de que aquilo foi uma colossal mistificação criada, à custa dos deuses, pela colecção de cidades mais politicamente pérfidas e oligárquicas, esclavagistas, racistas, suprematistas, etc., que inventaram a democracia para a flasificarem. O Parténon é um milagre que lhe aconteceu [...]. Tudo o mais são milhares de anos de conversa – e por isso, por exemplo, a Ilíada, que acho belíssima, me é horrenda, como apologia do machismo bélico que ainda hoje leva os soldadinhos para as Áfricas e os terroristas para as bombas, as quais são pagas pelas «cidades» para continuarem no poder. Vidé Tucídides, Xenofonte, e outros sujeitos esclarecidos e mal pagos.”

 

Como bom e amargo lúcido, Jorge de Sena tinha clara consciência da sua relação com o mundo (não limitar a sua desilusão à pobre pátria que o pariu) e as suas próprias palavras são definitivas: “Perdoa o sermão que o não é, mas só a muita e inescapável amargura de quem ama a vida e a liberdade, e odeia totalmente o mundo em que lhe é dado viver.”

 

 

Correspondência 1959-1978, Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena, 3ª ed., Guerra e Paz

Seguir

Contactos

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D